Minha opinião sobre...


Olá a todos, não sei se vocês perceberam, mas esse mês não houve a coluna minha opinião sobre. Isso porque, infelizmente, não tive tantas indicações. Acho que a coluna estava muito vaga e por isso, aconteceu o que aconteceu! Porém, para regularizar isso eu resolvi trazer incentivos e umas regras. A partir desse mês, as indicações serão por gêneros, na qual eu fiz sorteio sobre a ordem deles. Irão entrar 12 gêneros variados, incluindo terror, para provar que estou me desafiando mesmo! Vamos aos meses e os gêneros?

  1. Fevereiro - Chicklit
  2. Março - Biografia / memórias
  3.  Abril - Aventura / ficção / ficção científica
  4. Maio - Romance (NA, YA, Erótico e etc)
  5. Junho -  Fantasia
  6. Julho - Terror / Policial
  7. Agosto - Drama
  8. Setembro - Histórico
  9. Outubro - Romance fantástico
  10. Novembro - Clássico
  11. Dezembro - Romance Epistolar
  12. Janeiro - Thriller

Então vamos lá, preciso de indicações de livros Chicklits, romances florzinhas e fofinhos. Essa é bem minha zona de conforto, mas não foi por querer. Foi sorteio!! Então preciso de dicas. Eu escolherei um e lerei, sendo que a pessoa que me indicar, ganhará marcadores exclusivos do memórias da Cat, o que acharam? Vamos indicar?


Balanço do mês de Janeiro


Oláa, o mês de Janeiro foi um mês meio preguiçoso em que a maioria das pessoas está de férias. Porém para o Memórias da Cat foi um mês de intensa atividade e muitas conquistas. Sou extremamente grata a tudo de bom que vem acontecendo. Obrigada a cada um de vocês, obrigada por estarem aqui e mais que tudo obrigada por tudo aquilo que vocês ainda irão fazer por esse cantinho que cada dia está mais lindo e mais com a minha cara. Para mostrar um pouco de tudo que aconteceu aqui resolvi fazer esse balanço que irá contar um pouco do que recebi, do que comprei, das parcerias e etc. Vamos comigo?

Parcerias

Esse foi o mês que o memórias se abriu para bons talentos nacionais. Graças a Deus todas as parcerias que eu fiz são extremamente talentosos. Vamos conhecer as divas lindas do Memórias.
  • Manu Torres
  • Letíria Kartalian
  • Amanda Ághata Costa
  • Alana Gabriela
  • Mari Scotti
Essas foram as parcerias feitas no mês de Janeiro, todas foram uns amores. E são muito talentosas.

E-books

Janeiro foi o mês dos e-books. Recebi muita coisa. Gratidão apenas!
  • A escolhida - recebi em parceria com a Amanda Ághata Costa e foi um livro que curti pacas. Vocês podem conferir a resenha aqui.
  • A Noiva Devota - Primeiro contato meu com a escrita da Mari Scott e já me apaixonei. Já tem resenha dele aqui.
  • A montanha da lua - Esse livro foi enviado também pela Mari. Uma lindinha! Em breve resenha.
  • Algum tipo de amor - Ganhei esse livro como um presentão da Letícia. Excelente leitura!!!
  • From the Ground Up - Esse foi um arc que recebi da autora Jennifer Van Wyk e tem de tudo para ser muito bom!
Livros físicos

Ganhei dois livrinhos lindos, embora não tenha comprado nenhum.
  • O acordo da Elle Kennedy que já tinha lido amei ter em físico
  • Amor nos tempos de Like que é um livro simplesmente maravilindo!!!
  • Ganhei o livro Quando o amor bater em sua porta de uma amiga muito muito querida!!! Obrigadaa!!

Então pessoal esse foi os recebidos de um mês lindo. 2017 chegou com tudo e nesse mês também consegui fazer 14 leituras, contabilizando um total de 4.580 páginas lidas. Isso tudo eu sei graças a um Aplicativo lindo que em breve falarei para vocês. Ele permite contabilizar as leituras feitas. Em ordem de leitura esse mês eu li os seguintes livros:

  1. Um casamento quase real - Middian Meireles (resenha)
  2. Um amor real - Middian Meireles (resenha)
  3. A fera em mim - Serena Valentino
  4. Your Destiny - Katherine Laccom't (resenha)
  5. Devora-me - Katherine Laccom't
  6. Efeito Dominó - Alana Gabriela (resenha)
  7. A noiva Devota - Mari Scotti (resenha)
  8. A escolhida - Amanda Ághata Costa (resenha)
  9. Princesa das águas - Paula Pimenta (resenha)
  10. Algum tipo de amor - Letícia Kartaliam (resenha)
  11. Te amo como se fosse ontem - Marcela Silva
  12. Amor nos tempos de #Like - Bel Rodrigues, Pam Gonçalves e o Pedrugo. 
  13. Me descobrindo Mulher - Manu Torres (resenha)
  14. A montanha da Lua - Mari Scotti
Bem... esses foram os livros, notaram alguma coisa? Sim, todos os livros lidos foram de autores nacionais e isso também me impressionou muito. O melhor ainda foi saber que amei a maioria deles, prova que nossa literatura está crescendo sim.

Mas me contem o que acharam desse formato de contar as leituras e os recebidos? Sugestões?


Resenha: Princesa das àguas - Paula Pimenta


Sinopse:Uma releitura da história da Pequena Sereia, com a marca de Paula Pimenta, uma das mais importantes autoras brasileiras da atualidade Arielle Botrel é uma nadadora famosa, prestes a viver o maior desafio de sua vida: participar das Olimpíadas pela primeira vez. Porém, ao contrário do que todos pensam, ela não possui tudo que deseja. Por ser a filha caçula de uma grande família, a garota é muito protegida e, apesar das medalhas e dos troféus, sonha com uma vida diferente, onde possa ser livre. Até que um dia um acidente faz tudo mudar. Arielle é apresentada a um mundo diferente... E nele existe alguém que vira sua vida de cabeça para baixo. Porém, para conquistá-lo, ela terá que abrir mão de sua voz. Será que Arielle vai conseguir conquistar esse príncipe sem palavras? E se no coração dele já existir outra princesa?


Livro: Princesa das águas / Autora: Paula Pimenta / Gênero: Ficção Juvenil/ Ano de Lançamento: 2016 / Editora: Galera Record / Idioma: Português / Comprar: Saraiva



Arielle Botrel é a filha mais nova entre 6 irmãs. Filha de um fenômeno da natação com uma cantora, ela é a menina mais jovem da delegação Brasileira nas olimpíadas que está acontecendo no Brasil. Eu poderia começar essa resenha falando de todo o lance das olimpíadas e de como ao salvar um menino do afogamento durante um campeonato na Suíça, ela fica apaixonada por ele, que por sinal, é jogador de tênis da delegação da Suíça. Mas não, vou começar essa resenha falando sobre a pressão diária que nos são impostas e sobre como conviver diariamente com ela. Quem nunca teve que conviver com as expectativas que outras pessoas colocam em cima de nós? É inevitável que isso aconteça, talvez as expectativas de nossos pais perante o desempenho na escola, ou a família durante a seleção em um concurso ou em um vestibular. Talvez até mesmo a pressão do seu chefe no trabalho. Todos sempre tem expectativas. Isso acontece e isso é o que está acontecendo com a Arielle.

Desde pequena a nossa mocinha meio que se culpa porque foi durante o parto dela que a sua mãe morreu. Foi de sua mãe que ela e suas irmãs herdaram a voz bonita, mas a dela era a mais parecida com a voz da mãe. Talvez por isso que seu pai sempre se emocionava ao ouvir e sua voz e esse o motivo de fazer ela calar sua voz para não deixar seu pai triste. Para dar orgulho ao pai, ela foi para as piscinas e lá fez o melhor. Estava na mão dela a responsabilidade de realizar o sonho do pai: ganhar uma medalha de ouro nas olimpíadas. Além disso, ela carregava nas mãos a responsabilidade de agradar uma nação, seu técnico e seu único amigo. Único porque a disciplina imposta pela rotina de treino a impedia de viver sua vida como uma menina normal da sua idade.

Foi pensando em libertar-se um pouco da pressão exigida que ela fugiu do hotel e foi parar em uma festa com esportistas e de lá testemunhou o Enrico, um jogador de tênis se afogar. Foi nessa festa que ela o salvou e deu início a uma série de acontecimentos que a fizeram crescer enquanto pessoa e impor um pouco suas vontades. Afinal não tem nada pior do que ter que anular em função de outras pessoas. Acho que o ponto alto desse livro não foi nem o romance da Arielle e nem muito menos a pressão olímpica. Creio que a chave dessa história tem haver com o crescimento pessoal da mocinha, tem haver com o fato de se libertar do julgamento de outras pessoas e passar a viver segundo sua própria vontade e sobretudo, aqui conta o fato de aprender a dizer não. Dizer "não" às vezes é bom sabe? Pensar um pouco de acordo consigo mesmo e parar anular suas vontades em prol de outras pessoas. 

Eu acredito que esse é o livro mais maduro da Paula, maduro não em estilo porque continua sendo um livro destinado para o público juvenil, mas em questão de aprofundamento da temática mesmo. Foi bem construído, mas sem perder a leveza inerente dos outros livros da série. Para quem não sabe esse livro faz parte de uma série com a mesma temática: releitura de contos de fadas. Os livros dão para ler de forma separada, pois cada um deles é uma história diferente, sendo que já tivemos o livro da Cinderela, da Bela adormecida e dessa vez a da Ariel.

Nos outros livros, a autora fez referências aos personagens, mas nesse livro a lembrança com a Ariel é bem maior, a começar pelo nome dos personagens. Temos personagens como o Sebastião (treinador da mocinha) e Lino (amigo da menina) que além de ter o nome dos personagens do conto de fadas tem as mesmas qualidades e defeitos deles. Tem também a Sula (vilã no conto de fadas) e que aqui vira a amiga falsa. Amiga essa, que me deu muita raiva pelo que ela fazia e a Arielle caia. Raiva ainda maior porque a mocinha caia sempre na dela, demonstrando toda a sua ingenuidade ocasionada pela superproteção. Por outro lado, personagens como a Belinha e o Enrico me fizeram dar risada e suspirar.

Posso dizer, então que o livro me divertiu e teve enredo, mesmo diante de um final um tanto quanto corrido. Parecia até que a autora tinha prazo para entregar o livro e acabou correndo. Olha que não gosto de enrolação, mas gosto de finais que nos deixam aquela sensação de completude e esse não deixou. Poderia ter tido mais, como o que aconteceu nas Olimpíadas ou um pouco mais do casal no final, pois parece que a autora teve um pouco de pressa. Teve o desfecho e pula para o final de uma maneira que me deixou perguntando: O que mais? Só isso? Ainda voltei para ver se não tinha pulado nenhuma página, mas infelizmente não :( Enfim... livro bom, mas merecia um final mais bem elaborado e sem pressas.


Resenha: Algum tipo de amor - Letícia Kartalian




Sinopse:
Makena Taylor está em ascensão. Com apenas 22 anos e cantando e compondo músicas agitadas que conversam diretamente com o público jovem feminino, ela nunca esteve tão em sintonia com sua mente, corpo, alma e arte.
Chuck Plith mantém os dois bem pés bem fincados no chão. Ele só quer fazer música, cantar sobre o amor e ser feliz. Se ele conseguisse ficar menos nervoso antes de cada show também seria bom.
A amizade entre os dois tinha tudo para ser improvável, mas aconteceu.
O amor pela música os uniu.
Mas e quando a forte conexão que existe ultrapassa a barreira do carinho e se transforma em algo mais para um dos dois? Quanto se pode carregar de culpa por não conseguir controlar as batidas do próprio coração?
Em Algum tipo de amor, novo romance new adult de Letícia Kartalian, vemos uma forte relação surgir entre versos e notas, entre medos e incertezas, entre a amizade e a paixão. É uma história sobre a música com amor e sobre o amor com música, mostrando que quando o coração encontra a sua harmonia perfeita… Já era.

Livro: Algum tipo de amor/ Autora: Letícia Kartalian / Gênero: Romance / Ano de Lançamento: 2016 / Editora: Independente / Idioma: Português / Comprar: Amazon


Há um tempinho atrás, a Letícia entrou em contato comigo falando desse livro dela e me convidando a ler. Como tinha sido indicação de uma grande amiga minha, que por sinal amou o livro eu resolvi aceitar após ler a sinopse. Na verdade, algo me chamava a esse livro. Essa capa linda com a prerrogativa de ser um livro feito especialmente para o dia dos namorados, tinha tudo para ser o tipo de livro que eu gosto de ler. E foi! Li esse livro em poucos dias e terminei com uma sensação de coisa boa, de completude que só poucos livros conseguem e esse conseguiu, mesmo não sendo um daqueles livros com uma carga dramática intensa.

Makena Taylor é uma musicista, conhecida no ramo da música por suas letras autorais. Meu corpo, minhas regras, o álbum da autora atingiu níveis gigantescos de vendas, escutas, dentre outras coisas. Um certo dia comum de estúdio, a Mak escuta um solo de piano em uma das salas que chamou a atenção dela e em um ímpeto, ela resolve fazer um dueto com esse músico misterioso que nada mais é do que um novo cantor que conseguiu seu público e fama através de sua carreira como youtuber: p Chuck. Desse encontro nasce a mais linda amizade que se pode existir. Só que a medida que o tempo passa, a linha tênue entre amor e amizade vai se borrando e o que era para ser apenas isso se transforma em algo mais... sublime, misterioso, improvável e proibido.

Não quero que vocês imaginem esse livro como algo mais do que ele é. Ele é um livro clichê e doce. Mas a narrativa é tão bem construída que não deixa brechas e nem faz cenas a mais do que o necessário. Essa é a maravilha de ser um bom escritor, contar uma história simples, de forma clara e sem delongas. Essa foi a história da Mak e do Chuck e pronto. O resto está a cargo da imaginação que é a maravilha e o presente de poder ser um leitor... a capacidade de imaginação. Porém, isso não significa que o livro não te faça sentir, pelo contrário, ele faz! Mas ela consegue, com uma narrativa que mescla presente e passado, contar uma história linda, sem a aquela coisa feia de um escritor que se apegar aos personagens a tal ponto de ter receio de colocar o ponto final. 

Ao longo da trama também nós vemos vários temas importantes sendo lançados de forma sutil, como o fato da música ser uma forma de expressão para Mak e, sobretudo, aqui nós temos uma visão de família. Família por laços de sangue, de amizade ou de trabalho, mas que está ali para a pessoa assim que ela precisar. Aqui você não vai encontrar uma ex louca perseguidora, nem pessoas tentando sabotar e nem muito menos a vida louca de sexo, drogas e rock in roll. Vemos muita pesquisa sobre música, vemos sentimento e amizade. Não há vilões e nem mocinhos, há as escolhas certas e erradas de cada pessoa e as consequências que ela trás.

Até agora deu pra perceber o quanto eu gostei de fazer essa leitura, mas alguns detalhes, a autora deixou passar despercebido. Detalhes bobos na verdade, mas que me fizeram, chata como sou, tirar uma estrelinha do livro. O primeiro é o fato histórico. Aqui temos um livro ambientado nos Estados Unidos, mas que a data do dia dos namorados colocada é a 12 de Junho. O que mais me dói é que esse detalhe poderia ter ficado oculto na narrativa e nem ser mencionado porque não fazia diferença nenhuma. O segundo detalhe são pequenos errinhos de português, nem erros de gramatica e sim de digitação. Nada que uma boa revisada não dê conta. 

No fim,  eu quero agradecer a Letícia pela oportunidade e dizer que me encontro aberta para ler qualquer um de seus livros porque é uma escrita muito gostosinha e que nos deixam com aquela sensação de coisas boas quando terminamos. 





Sobre experiências de leitura (Pausa para um Café)


Olá a todos, hoje eu peço licença para divulgar um vídeo que eu vi no canal do Pausa para um Café. Não é cópia, pois estou referenciando e, não não somos parceiras. Gosto muito do trabalho dela e esse vídeo mexeu comigo de um jeito que não consigo nem falar porque fala de experiências literárias e como isso é pessoal para cada pessoa. Vamos dar o play?



Enjoy :)




Resenha: Your Destiny (Secret Garden #2) - Katherine Laccomt


Sinopse:
"Christopher O´Donnell é um político consagrado dos Estados Unidos, sua vida é milimetricamente calculada. Bonito, rico e incrivelmente sexy, o candidato ao Senado americano acredita que manter uma vida de aparências para alcançar seus ideais políticos é a coisa certa a fazer. Em uma noite de frustração, ele entra no clube e se depara com uma mulher que mais parece uma miragem de tão perfeita.
Ivy é uma moça doce e não muito inocente. Viveu reclusa durante anos até se ver sozinha no mundo. Jamais imaginou que sua vida pudesse mudar tanto ao ser acolhida pela família Secret Garden e se deparar com aquele homem.
Chris não acredita em destino...
Ivy sabe que é o destino de alguém...
Com o desejo a flor da pele esquentando os bastidores da eleição para o Senado, uma hora o fogo explode mudando suas vidas de forma irreparável. Um destino e uma escolha. Deverá Chris continuar com seus planos políticos e se casar com a bela socialite por interesse da carreira? Ou escandalizar Washington e assumir sua paixão pela sedutora dançarina?"

Livro: Your Destiny (Secret Garden #2) / Autora: Katherine Laccom't / Gênero: Romance / Ano de Lançamento: 2016 / Editora: Independente / Idioma: Português / Comprar: Amazon.



Muito se fala sobre o Bullying e como devemos combater tal prática, sobretudo nas escolas. Isso é muito necessário, pois os efeitos são devastadores, sendo em casos mais trágicos a causa da tentativa de suicídio de muitos jovens por aí a fora. Destimy poderia ter sido uma dessas estatísticas se não fossem seus pais amorosos que a tiraram da escola e a levou com eles para viver uma vida reclusa. Um reino encantado criado para a princesa Destiny, a menina que foi chamada assim porque um dia seria o destino de alguém. Atitude tocante dos pais dela, só que o isolamento não é uma alternativa. Ao retirar o ambiente estressor, eles não ensinaram a ela as estratégias necessárias para lidar com as adversidades. Um dia ela não teria eles para lutarem suas batalhas, e isso aconteceu com a morte dos pais dela.

Em uma noite chuvosa, Destiny viria um pesadelo, pois ela estava sendo expulsa de casa pelas pessoas que estavam cobrando uma dívida de seus pais. Nessa mesma noite ela é resgatada pelas meninas do clube Secret Garden e são eles que dão a ela o verdadeiro valor de uma família, junto com a liberdade para que ela possa vivenciar suas próprias aventuras. A inocente Destiny encantou a todos, mas principalmente, o Senador Chris, um cara 19 anos mais velho que ela e que estava em plena campanha eleitoral, ou seja, não poderia ter uma reputação manchada de jeito nenhum.

Chris me encantou com seu jeito protetor de ser, ele nutria um carinho e amava a Destiny de uma maneira tão delicada e simples que me fez querer um desses para mim também. Era lindo de ver como ele buscava dar a ela a liberdade que ela precisava para descobrir e viver as coisas que ela não teve a oportunidade de fazer, assim como era protetor e amigo. Ele estava ali para ela e só. Foi muito fofo o romance dos dois e só. Por outro lado, eu fiquei com muita raiva dos acontecimentos e de algumas atitudes covardes que ele tomou, dizendo que era para proteção dela, mas na verdade era por medo dele de arriscar as coisas.

Por fim, posso dizer que nesse livro a Katherine fez um romance que eu gosto de ler: fofo e sexy, ao mesmo tempo que me fez experienciar várias emoções, tais qual, raiva, confusão, surpresa e sobretudo, muito amor! Eu amei muito esse livro, muito mais que o primeiro que tem uma conotação bem diferente, mostrando a versatilidade da autora mesmo diante de uma série (deixo claro que essa série são de livros independentes e pode ler o segundo sem atrapalhar em nada). Super indico!


Tag: Balada de Férias


Olá pessoal, eu sei que estou em falta com Tags esse mês, por isso eu resolvi trazer uma bem divertida e com uma playlist feita para dançar que eu vi no blog Lua Literária. Vamos conferir? Liga o play!

♪ possuído pelo ritmo ragatanga ♪
Um livro que te envolveu


Vários livros me envolvem, então essa é uma pergunta difícil, mas recentemente o que mais me tirou o fôlego foi Sorrisos Quebrados, da autora portuguesa Sofia Silva, vocês podem conferir a resenha dele aqui.

♪ malandramente a menina inocente se envolveu com a gente só pra curtir ♪
Uma mocinha cuja a aparência engana


Acho que não existe mocinha mais piriguete que a Steph, portanto, o título vai para Um casamento quase real, na qual tem resenha dele também aqui.


♪ Conheci uma menina que veio do sul, pra dançar o tchan e a dança do tchu tchu...♪
Uma personagem que, na história, seja estrangeira


Nesse livrinho que ainda não tem em português (infelizmente porque a autora é maravilhosa), a Avery é de longe, na verdade ela está fugindo de seu passo, portanto ela é estrangeirinha sim.


♪ Garçom troca o DVD que essa moda me faz sofrer e coração num guenta... ♪
Um livro que te deixou de coração partido


Quem leu sabe que esse livro destrói o coração de qualquer um. Qualquer coisa mais que isso é spoiler. 


♪ Vai taca, taca, taca, taca, taaaaca ♪
Um livro chato, mas que não sai da sua cabeça


Não é que esse livro seja chato, ele não é!! É que a série é tão grande que acaba ficando chato no fim. Mas... o Gideon não sai da cabeça né?

♪ Hoje eu acordei me veio a falta de você, saudade de você, saudade de você. ♪
Um livro que deixou saudades e você gostaria de reler.


Um dia eu relerei essa série toda que foi onde eu aprendi a gostar da Carina :)


♪ E, pra te dominar, virar tua cabeça, eu vou continuar te provocando... ♪
Um personagem provocante


É bonitinho de ver como o Travis provoca a Abbi e como ela reage a ele. Acho ele um provocador fofo. 

♪ Tá tranquilo, tá favorável ♪
Um livro leve


Todo livro com bebê é fofo né? Esse não é diferente e ainda mais sendo um livro levinho como esse é. Atenção também tem resenha dele aqui.


♪Beijinho no ombro pro recalque passar longe, beijinho no ombro só pras invejosas de plantão♪
Um personagem invejoso


Pode ser apenas impressão minha, mas eu acho a amiga da Bella da escola. Menina que por sinal eu nem sei o nome rsrs muito invejosa!!


♪ Como se eu fosse flor, você me beija / Como se eu fosse flor, você me rega ♪
Um personagem que ilude as pessoas


Nana seu reizinho ganhou aqui rsrs. Ele não vale nada, mas no fim eu gosto dele rsrs


♪ Bebeu água? Não / Tá com Sede? Tô / Olha, olha, olha, olha a água mineral ♪
Um livro que se passe em um ambiente que tenha água (praia, rio, lago)


Impossível não pensar em Rosemary Beach, né?


♪ Acabooouooo, acabou ♪
Um livro que te deixou triste por ter acabado


Me deixou triste porque isso não é jeito de acabar livro, Aghata! rsrs

Bem amores, essa foi a tag de hoje, o que acharam?

Resenha: Efeito Dominó (Parte I) - Alana Gabriela

Sinopse:"É melhor ser enganado do que não confiar."
Um assassinato. Um caso sem suspeitos... Uma testemunha ocular misteriosa.
Após a morte de sua mãe, Helena, em um passeio à Saquarema, Cora se vê solitária e desestabilizada pela perda do pilar de sua vida. Reclusa, a garota se torna relapsa e instável e a relação com seu pai bem como com a maioria das pessoas a sua volta fica cada vez mais distante e frágil. Sua vida caótica vira do avesso quando presencia uma tentativa de homicídio que põe a vida de Lucas, seu amigo, em perigo. No processo, Cora é feita refém de um criminoso enigmático que está disposto a tudo para trazer à luz todos os segredos que rodeiam a morte de Helena. Ela só precisa decidir entrar no jogo.
Entre mentiras, assassinatos e segredos perigosos, Cora se vê num impasse pelo qual lado se aliar. Ela precisa decidir qual segredo é digno do silêncio e se estará pronta para desencadear o efeito dominó.

Livro: Efeito Dominó - Parte 1/ Autora: Alana Gabriela / Gênero: Thriller, policial, mistério / Ano de Lançamento: 2015 / Editora: Independente / Idioma: Português / Comprar: Amazon


Há um tempinho atrás recebi um e-mail um tanto curioso da Alana, autora desse livro, me convidando para ler a obra dela. Segundo ela, que por sinal é minha conterrânea, recebeu proposta para publicação desse livro por algumas editoras, incluindo a Ler editorial, Novos talentos da Literatura Brasileira - Novo século, Chiado, entre outras. Fiquei bastante curiosa pelo fato das propostas e mais ainda pelo fato dela não ter aceitado, pois queria amadurecer a ideia e, sobretudo, queria ser lida. Só por isso, me prontifiquei a ler o livro dela, mas quando eu li a sinopse me apaixonei pela proposta. Posso dizer que não me arrependi. Tenho tido sorte com parcerias até agora e espero que continue assim.

Aqui nós conhecemos Cora, uma adolescente que teve sua mãe assassinada durante um passeio e até hoje o crime não foi completamente resolvido. Ela entra meio que em depressão depois do ocorrido, pois não sabe se reestruturar e seguir em frente sem a mãe, ou seja, não tem mecanismos para tal. Ela permanece em um estado inerte até seu pai a obrigar a voltar a frequentar a escola. Aos poucos sua vida vai retornando ao uma rotina fácil, até o dia que ocorre a tentativa de assassinado de seu melhor amigo Lucas e ela é feita refém de um cara misterioso. A partir de então segredos são postos a prova e cada vez mais as peças do assassinato de sua mãe vão se encaixando.

Confesso que em livros de mistério e assassinatos, eu sou a pessoa que descobre o mandante logo nas primeiras páginas e fica frustrado por não ter sido pela no suspense. As poucas pessoas que conseguiram me enganar acerca de um mistério foi Jô Soares com Assassinatos na Academia Brasileira de Letras e agora a Alana. Com um enredo diferente de tudo que eu já vi o livro traça a dose certa de informações para te deixar curioso, mas sem dar pistas demais para que a pessoa descubra o desfecho. É tudo bem dosado de modo que eu me prendi a escrita.

Uma das qualidades, ou defeito, da escrita da autora é o fato dele ter sido narrado em terceira pessoa. Poucos autores conseguem fazer isso com maestria e ela até que conseguiu, mas o fato de repetir demais o nome da personagem em sentenças curtas deixou a leitura um pouco repetida, nada que comprometesse, mas que ficou repetido ficou. Por exemplo, é comum ver frases como "Cora sentiu isso. Cora pensou aquilo" e a falta de conectivo entre as frases não ficou legal. Mas, essa é a minha parte tecnicamente chata falando. O livro não faltou emoção e eu também não vi erros de português, o que é muito bom.

Assim, me sinto agraciada por ter tido a chance de ler um pessoa que, por estudar Letras, tem técnica de escrita. A junção dessa técnica com a criatividade tem tudo para fazê-la ir longe, apenas com poucas coisas para afinar, em meu ver. Obrigada pela oportunidade Alana, espero que lembre com carinho do Memórias da Cat quando for lançar a segunda parte desse livro, e mais que tudo, estimo que um dia eu possa comprar esse livro lançado por editoras de grande impacto. 

Ps: Vejo esse livro como sendo a cara da Novos talentos da literatura brasileira (que já mostrou interesse), Intrínseca ou Rocco.


Resenha: A escolhida - Amanda Ágatha Costa

Sinopse:Em uma cidade repleta de pessoas desconhecidas, Ari poderia ser apenas mais uma garota perdida na multidão, como tantas outras que foram abandonadas pelos pais. Através de sua aparência impecável e feições delicadas, ninguém conseguiria supor quem ela é e o que gosta de fazer: um anjo com sede de sangue, sempre disposta a ceifar novas vítimas.
Porém, tudo muda quando é capturada por dois feiticeiros e levada para o círculo, lugar onde eles vivem sob a liderança de Egran, um homem cruel que não mede esforços para conseguir o que quer. Em meio a várias mudanças repentinas, terá de enfrentar suas convicções a fim de descobrir um lado de si mesma que não imaginava existir. Será que o amor vai fazer brotar a alegria em seu coração? Ou ele irá arrastá-la diretamente para a morte? Ari será capaz de finalmente superar o próprio passado sombrio ou sucumbirá a ele, deixando pelo caminho mais um grande rastro de destruição?

Livro: A escolhida / Autora: Amanda Ághata Costa / Gênero: Romance Fantástico/ Ano de Lançamento: 2015 / Editora: Arwen / Idioma: Português / Comprar: Editora Arwen.


Ariali é um anjo banido do céu por possuir o bem e o mal dentro de si, o que é representado por suas asas. Cada vez que ela faz uma boa ação suas asas ficam mais robustas, de modo contrário, quando ela faz uma coisa ruim, as asas se desintegram. Acho que todos nós temos um pouco da Ariali dentro de nós. O bem e o mal, o Ying e o Yang, pois nenhum pode ser considerado completamente bom ou completamente mal. Somos frutos de nossas escolhas e do meio em que vivemos. Por viver em um meio que sempre a rejeitava, Ari escolheu deixar o mal aflorar e cada vez mais usada de seu poder de poder hipnotizar as pessoas para cometer assassinatos, movido sempre pelo prazer da caça.

Um certo dia, durante uma de suas caçadas, a mocinha é compelida a acompanhar dois jovens e ir até uma comunidade chamada o círculo. Tal comunidade é liderada por Egran, um feiticeiro maléfico e poderoso que utiliza de seu poder para prender a jovem dentro da comunidade através de um feitiço: se ela falhar ou fugir, será sugada diretamente para a morte. Diante disso, ela se vê obrigada a ceder aos caprichos do feiticeiros, o que ela não esperava é que na comunidade ela fosse encontrar pessoas que a fizessem ter sentimentos e com isso dar a ela o poder de aflorar o bem dentro de si, até mesmo o amor.

Recebi esse livro através da parceria com a autora e antes de começar essa leitura eu fui pesquisar o que era um romance fantástico e descobri que é um gênero literário em que estão presentes criaturas tida como sobrenaturais ou incomuns, tais como anjos, lobisomens, vampiros e etc. Não sou acostumada a ler livros desse tipo, mas como já tinha lido alguns do gênero comecei a leitura sem muita expectativa, já que estava saindo de minha zona de conforto, e desde já me bati com a primeira lição: Sair do conforto é bom as vezes.. Só mais um capítulo era o que eu dizia a mim mesmo. Só um capítulo para eu decidir se é uma boa leitura ou não. Só que de capítulo em capítulo eu me vi chegando ao final do livro cada vez mais encantada com a criatividade da autora e o mundo criado por ela. Aqui vemos de tudo: guerra, assassinatos, mistério, aventura, romance, entre outras coisas.

Porém, apesar de ter todos esses elementos, incluindo o romance que é muito fofo, por sinal, creio que o ponto forte desse livro não é isso. Por ser narrado em primeira pessoa, todo pelo ponto de vista da Ariali, eu creio que esse livro vem falar da autodescoberta da mocinha sobre quem ela é e sobre o quanto nossas escolhas influenciam em nossa vida. Vemos também o poder da amizade e o quanto o companheirismo é capaz de derreter até o mais frio coração, como o da mocinha. Ou seja, por mais que o sangue fale auto e nossa essência essa predominantemente mal, são as nossas escolhas que tem o poder de decidir de que lado você está, e mais que isso, ninguém é tão bom que não possa ter um pouquinho de ruindade dentro de sim. É o equilíbrio perfeito.

Portanto, posso dizer que fui conduzida durante a trama toda, a um desfecho que ainda não aconteceu. O livro faz parte de uma trilogia cujo segundo ainda não foi lançado e várias perguntas ficaram a serem respondidas, mas isso não é um ponto negativo já que o sentimento que tive ao chegar ao desfecho foi de esperança que dias seriam melhores e que a força de vontade é capaz de tudo. Termino agradecendo a autora pela oportunidade.





Livros e... música!


Ler com música? Você consegue? Eu não sou muito adepta a ler escutando música, mas sou completamente apaixonada por livros que tem uma boa trilha sonora para que eu possa escutar e lembrar de meus personagens queridos quando eu quiser. Independente da lembrança, tem livros que tem uma trilha sonora tão boa, mas tão boa que embalam nossa vida em várias circunstâncias. E é pensando em música para ouvir nos diversos momentos que pensei na playlist de três livros que amo de paixão e tem músicas para diferentes gostos.

1. Talvez um Dia - Colleen Hoover



Essa história conta a história de um casal um pouco improvável na qual o memino é músico, porém surdo e ela tem uma voz belíssima. Uma desventura une os dois e em vários momentos eles se juntam pelo prazer que ele tem de vê-la cantar as músicas compostas por ele. O diferencial aqui é o fato da autora realmente colocar as músicas no livros, músicas que foram gravadas pelo fofo do Griffin especialmente para a diva CoHo. É uma música mais linda que a outra e quem tem o livro sabe que a autora coloca códigos para que durante a leitura você coloque o celular e possa se transferido direto para um site onde você pode ouvir as músicas, dando mais veracidade ainda a história. Só é apertar o play para ser transferido aqui também :)







2. Redenção pelo amor - Nana Pauvolih


Lançado pelo selo Fábrica 321, da Rocco, esse livro é de uma autora brasileira que amo de paixão e faz de uma trilogia de livros independentes, sendo que esse é o terceiro livro. Ele conta a história do Antônio e da Cecília que se conheceram quando jovens, porém foram separados pelo destino e voltaram a se encontrar muitos anos depois. A trilha sonora desse livro é basicamente de músicas para se escutar a todo o momento, pois faz um passeio pela boa música brasileira, com clássicos do MPB e cantores como Nando Reis, Djavan, Skank, entre outros. Gostou? Vem curtir!









3. Senhorita Aurora - Babi A. Sette

 
Esse é o mais novo queridinho! Uma releitura de A bela e a Fera que trás o amor de um maestro com uma bailarina, a playlist desse livro agrada até os mais exigentes, pois trás uma série de clássicos do rock e alguns da música clássica. Com certeza deve clicar no play né?

















Então pessoal essa foi a minha seleção de músicas. Esse post é muito querido por mim, pois ando escutando demais essas playlists. Independente do livro são músicas muito gostosas de se escutar no dia a dia e me trazem bancas e cantores por quem eu tenho muito apreço. Espero que gostem! Bom Fim de Semana!



Nova Parceria: Amanda Ághata Costa

E o ano do amor começou com coisas boas e mais uma parceria se concretiza. Dessa vez é com uma Catarinense que é linda e muito talentosa. Vamos conhecer mais um pouco dela?


Amanda Ághata Costa nasceu em 21 de Outubro de 1993, em São João Batista, uma cidade do interior de Santa Catarina. Formada em Pedagogia e amante das palavras desde a infância, jamais imaginou que um dia sua voz seria ouvida. Com papel e caneta em mãos, espera poder tocar as pessoas com suas histórias, fazendo-as vibrar e amar cada fragmento das mesmas. De todas as coisas do universo, aventurar-se nos mares da fantasia é sua maior paixão. A Escolhida é seu romance de estreia.

A obra dela




Sinopse:
Em uma cidade repleta de pessoas desconhecidas, Ari poderia ser apenas mais uma garota perdida na multidão, como tantas outras que foram abandonadas pelos pais. Através de sua aparência impecável e feições delicadas, ninguém conseguiria supor quem ela é e o que gosta de fazer: um anjo com sede de sangue, sempre disposta a ceifar novas vítimas. Porém, tudo muda quando é capturada por dois feiticeiros e levada para o círculo, lugar onde eles vivem sob a liderança de Egran, um homem cruel que não mede esforços para conseguir o que quer. Em meio a várias mudanças repentinas, terá de enfrentar suas convicções a fim de descobrir um lado de si mesma que não imaginava existir. Será que o amor vai fazer brotar a alegria em seu coração? Ou ele irá arrastá-la diretamente para a morte? Ari será capaz de finalmente superar o próprio passado sombrio ou sucumbirá a ele, deixando pelo caminho mais um grande rastro de destruição?

Redes Sociais do livro:

Lançamento futuro


 
Agora vamos conversar? O que acharam desses livros? dessas capas e dessa linda autora?



 

Papo Sério: No divã dos livros



Não tem nada mais clichê nos livros do que o fato de um dos mocinhos ter um passado cheio de traumas né? Aquela pessoa que se retrai por sofrer demais na vida, ter tido uma grande desilusão, entre outras coisas. Daí acontece um clichê maior ainda... eles encontram o amor e o amor cura todos os problemas. Qual o erro? Todos! Porque nem na ficção nós devemos ter um livro que passa a ideia ilusória do amor como cura, ele ajuda sim, mas não é o ponto central. Tudo bem, eu sei que tem a liberdade poética, mas eu penso que livros, por mais que tenham o intuito de entreter, deve passar uma mensagem, nem que seja para ajudar outras pessoas que passaram ou passam pelo mesmo problema, ou tem uma depressão, ou ficou órfão, etc. Se a cada 1000 pessoas que leem um livro, uma pegar o ensinamento deste e procurar ajuda para uma coisa série, o autor fez o seu papel no mundo e ajudou uma pessoa com seu escrito. Sim, estou falando de ajuda profissional, do profissional capacitado para lidar com traumas que é o psicólogo. Fazer psicoterapia faz bem!

Sei que comecei o papo sério de hoje falando de uma coisa muito séria, mas o ponto principal ainda não é esse. Não posso generalizar, eu sei que existem, e muitos, livros que trazem um dos mocinhos fazendo psicoterapia, mas é muito comum vermos uma ideia ilusória do que vem a ser um tratamento desse nível. A esse respeito, pouca gente acerca e é nesses erros e acertos que eu quero falar hoje. Para isso, acho que vou usar alguns livros bem famosos para falar de alguns mitos. Vamos brincar de mitos e verdades?

1 - Psicólogo pode passar remédio  MITO!

No livro Toda Sua da Sylvia Day, o Gideon apresenta um transtorno de sono e procura um profissional para ajudá-lo de forma que ele não machucasse sua amada Eva no sono. Ele procura uma pessoa que passa um remédio para ele. Até aí eu pensei... OK, um psiquiatra, mas aí a autora narra sessões dele com o profissional e quem faz sessões é o psicólogo. Entenderam a lógica? Psiquiatra passa remédio, mas não passa muito tempo com o paciente, de forma a escutar seus problemas e tentar elaborá-lo. Psicólogo tenta elaborar um problema, mas não passa nenhum remédio. Então, a Sylvia Day deu uma pequena derrapada nos termos aí.

2- Um mesmo psicólogo pode atender vários membros da mesma família MITO!

No mesmo livro mencionado acima, nós notamos que o profissional atende a mãe da Eva, por vezes a Eva e o Gideon. Isso não pode acontecer porque segundo o conselho de psicologia o mesmo profissional não pode manter relações com mais de uma pessoa da família e nem pode atender nenhum parente porque se configura como delito ético. Mas, observem bem! É possível que o psicólogo faça algumas sessões conjunta entre o paciente e alguém próximo a este ou até mesmo faça uma sessão individual com este familiar, assim como acontece na cena em que a Anastásia em 50 tons de cinza tem uma sessão com o profissional que trata o Christian. Vejam só, o paciente é o Christian e não a Ana, mas para benefício do paciente, ele acorda com o paciente uma sessão conjunta, entenderam?

3 - Uma pessoa em tratamento psicoterápico e com um histórico de vida dolorido pode ser bem resolvida consigo mesmo do que uma pessoa que sofreu bem menos e não faz tratamento. VERDADE!

Sim, a psicoterapia permite que a pessoa possa elaborar episódios traumáticos, sendo assim, entre duas pessoas com problemas parecidos, sendo que uma delas fez ou faz tratamento, a que fez tratamento tende a ter atitude mais consistentes que a outra. Isso pode ser  observado no livro Sorrisos Quebrados. Embora os dois protagonistas tenham tido problemas traumáticos, a mocinha é bem mais convicta de suas ações do que ele, pois ela fez psicoterapia e a autora deixa isso bem claro, me contemplando, muitíssimo!

Por fim, eu acho que poderia ficar aqui falando várias vezes e vários livros, mas eu vou parar só com esses três mitos prometendo voltar para falar de outros aqui com vocês. Deixo como dica um livrinho perfeito para autores e curiosos, sobre os efeitos da psicoterapia e como ela acontece. O nome dele é Cartas para um jovem terapeuta e apesar de ter uma linguagem romantizada, ele não comete erros. Mas me contem: tem algum tema que gostaria ver aqui no papo sério, ou algum dos livros que você já leu tem a psicoterapia?

Resenha: Um amor real - Míddian Meireles


Sinopse:Edward di Montalccino, era o amado Rei do pequeno país da Campavia. Como monarca maior do país, ele fez tudo aquilo que esperavam que fizesse, sendo o herdeiro do trono que seu pai queria que ele fosse quando finalmente assumisse o trono. Só que ele carregava muito mais do que uma coroa, era um homem marcado pelo seu passado e com ele carregava a culpa e tantos segredos não apenas da sua vida, mas também da história da sua família, que fizeram com que ele se fechasse para o amor.
Lourdes Paraizo, era a plebeia que havia crescido no castelo e por anos viveu a vida de uma princesa, mesmo sem nunca ter carregado uma coroa. Ainda muito nova se viu apaixonada logo pelo Rei, aquele quem a viu crescer e que tão logo percebeu seus sentimentos por ele preferiu afastá-la.
Anos se passaram, mas o que Edward não esperava, era que a menina que ele havia carregado no colo e considerava como se fosse da família, era a nova peça que a vida havia lhe pregado. Para ele era errado demais como se sentia por ela, mas depois de tanto lutar contra o que sentia, ele finalmente se rendeu e decidiu se entregar novamente ao amor.
Só que Edward e Lourdes não imaginavam que o passado voltasse para assombrá-los e fazer com que a relação até então de conto de fadas que tinham ficasse balançada.
Um Rei com um passado marcado.
Uma Plebeia que sonhava com seu conto de fadas ao lado dele.
Um amor do passado.
Mentiras e omissões sendo desmascaradas.
Passado e presente balançando o coração de um só homem.
Agora chegou a vez do Rei contar a sua história.
Um Amor Real é o Segundo Livro da Série Real.

Livro: Um amor real (Série real #2)/ Autora: Míddian Meireles / Gênero: Romance / Ano de Lançamento: 2016 / Editora: Independente / Idioma: Português / Comprar: Amazon


No primeiro livro da série nós conhecemos a Steph que é a filha do protagonista desse livro. Para não dar spoiler, no primeiro livro começamos a compreender um pouquinho do Edward e na verdade sabemos todos os segredos que ele esconde, portanto, compreendemos um pouco da carga que ele carrega e a culpa que ele sente diante de tudo que aconteceu. Para dar uma situada esse livro acontece paralelamente ao primeiro livro, ou seja, nós vemos aos olhos do rei tudo aquilo que acontece com Steph e o Théo e, portanto, se não quiser spoilers ainda maiores é altamente recomendado que você leia o primeiro livro antes desse.

Um dos segredos que o rei esconde é atração cada vez mais evidente pela filha da governanta do palácio, a Lourdes, uma menina que ele viu crescer e que sente-se muito culpado por estar desejando aquela menina que ele pegou no colo ainda tem uma relação mais estreita com sua vida. Ao mesmo tempo ele ainda tem uma culpa muito grande por causa de coisas que aconteceram no passado e que influencia diretamente a forma como ele vê os relacionamentos amorosos. Ele não se sendo digno de estar perto de alguém, se sente sujo e desmerecedor de receber amor, o que acaba fazendo ele desenvolver um Transtorno, assim que ele permite se aproximar e reclamar a Lourdes para si.

O Transtorno Obsessivo Compulsivo é o ato da pessoa fazer um ritual compulsivamente, elaborada pela mente dela para tentar compensar algo que sua mente cria. Na verdade, a sua cabeça cria um pensamento disfuncional catastrófico e se ele não realizar o ritual, é como se essa catástrofe acontecesse. Ex: o rei sente-se impuro toda vez que deita-se com uma mulher, logo para purificar-se e ser merecedor de novo deve lavar-se compulsivamente, chegando a ferir a pele. A autora coloca isso direitinho no livro, mas ela dá uma cagada feia quando relata a técnica de psicoterapia que foi usada.

Creio que o pecado do livro foi o fato dele ser paralelo ao "Um casamento quase real". Tudo do livro se baseia no outro livro e por vezes eu senti que ele era apenas o primeiro livro contado por um narrador diferente. Tudo girava em torno do primeiro casal e o segundo perdeu um pouco o encanto, na verdade, eles tiveram mais encanto no primeiro livro do que no livro dele mesmo. Isso aconteceu tanto que o encanto de um conto de fadas no estilo Cinderela de uma plebéia com um nobre perdeu o encanto. Ele praticamente não aconteceu porque a autora não deixou o casal contar a sua história.

Mesmo assim, não é uma leitura ruim. Não tem erros e é despretenciosa, mas faltou dar um plus e explorar mais questões como a autodescoberta da Lourdes, o amadurecimento dela, o possível triângulo amoroso, as consequências do grande segredo. Correndo até o risco de ser injusta, acho que esse é um livro que nunca deveria ter sido escrito. Se houvesse a vontade do Rei contar sua história, acho que um conto daria conta de tudo o que aconteceu e ainda mais um pouco.




Resenha: A noiva devota - Mari Scott



Sinopse:
Nascer um Hallinson jamais foi tão promissor como em sua geração, no entanto, carregar esse sobrenome era ao mesmo tempo uma dádiva e uma maldição para os herdeiros do amor lendário de Mical e Octávio. Tudo porque Madascocia tornou-se a cidade do casal que venceu uma maldição. Muitos curiosos passaram a visitá-la em busca de felicidade, amor eterno, casamentos duradouros e a solução para seus dilemas. Além das inúmeras superstições como passar pela sombra de um Hallinson; lançar cartas ao rio Llyin que corta a Mansão de Bousquet; as donzelas e matriarcas almejavam matrimônio com um dos jovens herdeiros.
Tentando adiar ao máximo esse desfecho, Samuel prolongou os estudos, mas, a saudade de uma donzela o faz retornar para casa antes do previsto.
É em um baile que todos os seus planos de a cortejar ruem. Flagrado em uma situação comprometedora, vê-se obrigado a se casar.
Ela sempre soube como se esconder da sociedade, como passar desapercebida entre as pessoas e não chamar atenção. Não que fosse complicado, ela era a mais nova das filhas, a menos formosa de sua casa. A que nasceu com uma ofensiva deficiência. Por acreditar que jamais seria notada, Rosalina guardou um grande segredo: seu amor por Samuel Hallinson. O que ela não esperava era cruzar o caminho do rapaz em um dos momentos mais constrangedores de sua vida e mudar seus destinos bruscamente.

Livro: A noiva Devota / Autora: Mari Scott / Gênero: Romance de época/ Ano de Lançamento: 2016 / Editora: Independente / Idioma: Português / Comprar: Amazon


Esse é o primeiro livro cedido em parceria com a autora Mari Scott e por coincidência o primeiro livro que leio da autora também. Lógico que já tinha ouvido falar muito bem dela, mas diante de tantos julgamentos falsos eu tenho um pé atrás com todo mundo, eu preciso ler e saber qual é a da autora para depois julgar e olha... esse livro me conquistou do início ao fim e não apenas por um romance, porque isso todos falam, mas por narrar costumes, linguajar e roupas de época de uma maneira muito delicada, de forma tal que não deixou em momento nenhum a leitura cansativa. Esse livro me ganhou a tal ponto que ele roubou lugar na fila e hoje teremos duas resenhas em vez de apenas uma.

Nesse livro nós vemos aquela síndrome do irmão mais novo que acha que tudo e todas as atenções são sempre dedicadas ao irmão mais velho e não para eles. Assim é com Rosalina, filha mais nova e com uma deficiência em uma casa onde toda a atenção era dada a sua irmã Isabel por ser mais bonita e ter vários pretendentes atrás dela. Rosa esconde um segredo que é o fato de amar Samuel desde que tinha 6 anos. Sua paixão platônica é tão grande, de forma que na tentativa de chamar a atenção dele ela acaba usando um espartilho de tamanho menor que o dela e acaba passando mal deixando Samuel em maus lençóis por tentar ajudá-la. A mãe dela exige reparação e um casamento é anunciado, o que seria o sonho da menina, mas em seus sonhos ele se casaria com ela por amor.

Samuel, assim como Rosa, é o segundo irmão. Só que ao contrário da menina que mostra maturidade ele vive agindo como se fosse jovem. Advogado, mas sem exercer, voltou para faculdade para tornar-se engenheiro e abandonou os estudos no meio e pensa em talvez lidar com a terra. O maior agravante no caso dele é o fato do irmão herdar o ducado do pai e ele ser sempre a segunda opção, o que no caso dele não acontece. Quando o escândalo acontece e ele se vê obrigado a casar com a irmã da pessoa que pensa nutrir sentimentos ele se desespera ao mesmo tempo que quer fazer de tudo para provar que ele pode se sustentar por conta própria e que ele não é mais um menino e sim um homem, e homens, honram a palavra. Um ponto interessante é que embora ele tivesse atitudes que eu não aprovasse, em momento nenhum eu tive raiva, até entendia o ponto de vista dele, afinal é muito difícil crescer em uma família unida e sentir-se que não se encaixa no lugar.

Geralmente em livros de época vemos mulheres um pouco a frente de seu tempo, diálogos inteligentes e cenas engraçadas. Porém esse livro tem uma conotação diferente, a mocinha é uma típica mocinha de época, inocente e que não sabe o que vai acontecer na noite de núpcias e o humor não é tão presente. Por outro lado, o romance sobra em detalhes sutis, principalmente, do flerte naqueles tempos em que pegar na mão da noiva era tido como um gesto ousado e beijar na boca era motivo suficiente para ter um casamento.

Por fim, algumas considerações como o fato desse livro ser o segundo de uma série. Como já devem ter visto, eu não li o primeiro e espero muito poder ler em breve, mas isso não influenciou em nada a leitura, pelo contrário, nem parecia que haveria um livro antes desse e esse é o tipo de série que estou procurando por hora, com livros individuais. Vou pedir a autora o primeiro com a carinha do Shrek e ver se ela me cede, não custa ter esperanças né?


Memórias da Cat no facebook

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog